DestaquesNotícias

Ativista pró-vida denuncia em tribunal a venda de bebês abortados: “Existe um menu”

David Daleiden está sendo processado pela gigante abortista dos EUA, 'Planned Parenthood' e voltou a denunciar o tráfico de bebês abortados em seu julgamento.

O júri do julgamento civil federal da maior rede abortista dos EUA, ‘Planned Parenthood’, em San Francisco vislumbrou o mundo sombrio do tráfico de corpos e tecidos de bebês abortados durante o terceiro dia do depoimento dado por David Daleiden — um jornalista e ativista pró-vida que se disfarçou de “comprador em potencial” para revelar esse esquema macabro.

Daleiden, de 30 anos, explicou por que ele formou o Centro de Progresso Médico (CMP), aos 24 anos e realizou uma operação de 30 meses que agora é conhecida como ‘Projeto de Capital Humano’ e que ele descreveu como “minha obra-prima”.

De fato, essa obra-prima chocou o mundo quando a CMP divulgou vídeos inovadores em julho de 2015, expondo a brutalidade casual de abortistas da ‘Planned Parenthood’, que negociam a venda de partes do corpo de bebês abortados, e desde então provocou investigações criminais do Departamento de Justiça e do FBI sobre a ‘Planned Parenthood’.

E levou os repórteres disfarçados de Daleiden, Sandra Merritt e Geraldo Adrian Lopez, e os membros do conselho fundador, Albin Rhomberg e Troy Newman, da ‘Operation Rescue’ ao tribunal, com seus 14 advogados para lutarem contra um processo maciço movido pela própria ‘Planned Parenthood’ contra eles.

A ‘Planned Parenthood’ e 10 de suas filiais estão acusando os réus pró-vida de 15 crimes, incluindo escutas telefônicas, conspiração, invasão de propriedade, quebra de contrato e violação da Lei de Organizações Corruptas Influenciadas por Racketeer (RICO), e estão buscando danos em potencialmente milhões de dólares.

Daleiden e Merritt também são acusados ​​de 14 crimes por gravar comunicações confidenciais sem consentimento em um processo criminal paralelo. Espera-se que o juiz da Corte Superior da Califórnia, Christopher Hite, decida até 13 de novembro, se houver uma causa provável para o julgamento.

Bebês submersos em útero artificial até se afogarem

Enquanto Daleiden descreveu sua pesquisa sobre o tráfico de partes do corpo de bebês, os advogados da ‘Planned Parenthood’ contestaram várias vezes e Orrick reiterou ao júri que seu testemunho não era para ser considerado um fato, mas apenas como evidência do estado de espírito de Daleiden.

Um dos argumentos da defesa é que a lei da Califórnia permite a gravação secreta de comunicações confidenciais quando aqueles que o fazem acreditam estar coletando evidências de crimes violentos contra a pessoa.

Um ponto constante de discórdia para a defesa é que, na maioria das vezes, Orrick se recusou a permitir que o júri visse imagens de vídeo do CMP como evidência para apoiar o testemunho dos acusados ​​e refutar as alegações da Planned Parenthood de que os vídeos são enganosos e incitam à violência contra os abortistas, porque os vídeos são prejudiciais.

No entanto, na terça-feira, Orrick permitiu que o júri visse a exibição de um dos vídeos, no qual os investigadores gravaram secretamente um abortista da ‘Planned Parenthood’ no Kansas se gabando do dinheiro que ganhava feito com a venda de partes do corpo do bebê abortadas.

Daleiden testemunhou que esse foi um impulso para sua decisão de investigar o tráfico de órgãos e tecidos fetais.

Daleiden também leu o livro de Suzanne Rini, “Além do Aborto: Uma Crônica de Experimento Fetal”. (“Beyond Abortion: A Chronicle of Fetal Experimentation”), que “informou minhas suspeitas de que a experimentação fetal era uma maneira de explorar até bebês nascidos vivos e que bebês potencialmente viáveis ​​poderiam ser mortos através da experimentação fetal”.

O júri viu uma fotografia de um bebê de seis meses de idade submerso na “placenta artificial” – um tanque de líquido amniótico artificial no qual os pesquisadores “veriam por quanto tempo eles poderiam mantê-los vivos até que se afogassem”.

Seis meses de gestação são “idade viável que você esperaria que, se um bebê nascesse prematuro vivo assim, seria levado às pressas para uma UTI neonatal”, disse Daleiden.

“É um jogo”

Os jurados também ouviram uma conversa entre a consultora de aborto Ruth Arick da Choice Pursuits Consulting e os investigadores da CMP Merritt e Brianna Allen, que esta gravou secretamente em uma convenção da Association of Reproductive Health Professionals em 2013, e na qual Arick admite que os abortistas estariam dispostos a mudar os procedimentos para obter mais informações e órgãos intactos.

“Agora, em muitos lugares, alguns pesquisadores procuram fetos inteiros, nos estágios iniciais, para que possam dilata-los mais, por isso tentamos extrair um feto inteiro através da cânula, mas, novamente, a dilatação excessiva pode ser um risco para a mulher, então você sabe, é um jogo”, diz ela.

Ela também aconselhou os jornalistas do CMP que se apresentavam como representantes da BioMax (compradores), que precisavam colocar um funcionário dentro do centro de aborto.

“Se você está procurando os órgãos, precisa fazer isso, separá-los e colocá-los no tipo certo de coisa, e então eles partem”, disse Arick.

Daleiden testemunhou que começou a investigar os “atacadistas intermediários de órgãos e tecidos fetais abortados”, como a Advanced Bioscience Research, Novogenix e StemExpress, que “incorporariam seus técnicos nas clínicas de aborto com as quais eram parceiras” – invariavelmente, as clínicas da Planned Parenthood.

O júri também viu capturas de tela de Daleiden em 2012 do formulário do menu suspenso do site StemExpress para órgãos e tecidos fetais.

“Existe um menu suspenso para o tipo de parte do corpo que deseja. Eles tinham entre 50 e 100 partes diferentes do corpo listadas. Você poderia ter um coração, um coração com veias e artérias ainda ligadas, um cérebro, um rim, um órgão genital. Você pode pegar o couro cabeludo. Realmente, qualquer coisa que você possa imaginar” disse Daleiden.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO LIFESITENEWS

Comentários

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios