DestaquesNotícias

Mais de 4 mil cristãos morreram em 2018 apenas por causa da fé

Os números da perseguição aos cristãos mostraram um “aumento chocante”, de acordo com a Lista Mundial da Perseguição 2019, lançada hoje pela Missão Portas Abertas.

De acordo com a Portas Abertas, a Ásia está mostrando um aumento particularmente acentuado. Na China, que subiu 16 lugares para o número 27, novas leis buscam controlar todas as expressões religiosas.

A diretora executiva da Portas Abertas do Reino Unido e Irlanda, Henrietta Blyth, disse: “Nossa pesquisa revela um aumento chocante na perseguição de cristãos em todo o mundo. Na China, nossos números indicam que a perseguição é a pior em mais de uma década – alarmante, alguns líderes da Igreja dizem que é o pior desde o fim da Revolução Cultural em 1976. No mundo todo, nossos dados revelam que 13,9% a mais cristãos estão experimentando altos níveis de perseguição do que no ano passado. São mais 30 milhões de pessoas.

A Índia, a maior democracia do mundo, entrou pela primeira vez na Lista Mundial, pelo fato de que extremistas hindus agem impunemente e surgem ataques violentos contra cristãos e igrejas. Isso é impulsionado pelo crescente ultra-nacionalismo, que provocou ondas de violência contra as significativas minorias religiosas não-hindus da Índia.

O crescente nacionalismo está levando a perseguições similares em outros países, como Butão, Mianmar e Nepal, onde a identidade nacional está ligada à religião e aqueles pertencentes a minorias religiosas são considerados marginalizados.

Isso afeta os cristãos de forma mais significativa em áreas rurais remotas. Blyth disse: ‘É chocante que a Índia – o país que ensinou ao mundo o caminho da’ não-violência ‘- agora se senta ao lado de pessoas como o Irã em nossa Lista Mundial da Perseguição. Para muitos cristãos na Índia, a vida diária é agora cheia de medo – totalmente diferente de apenas quatro ou cinco anos atrás.”

A perseguição na Coreia do Norte é pior do que em qualquer outro país do mundo e tem sido nos últimos 18 anos. Cinco anos atrás, apenas a Coreia do Norte estava na categoria extrema pelo nível de perseguição sofrida pelos cristãos de lá. Este ano, os cristãos dos 11 países da Lista de Perseguição vivem onde a perseguição é extrema. São eles: Coreia do Norte (1), Afeganistão (2), Somália (3), Líbia (4), Paquistão (5), Sudão (6), Eritréia (7), Iêmen (8), Irã (9), Índia (10) e Síria (11).

Morte de cristãos

Mais de 4.305 cristãos foram mortos simplesmente por causa de suas crenças em 2018. Muitas mortes não são relatadas porque os amigos e parentes dos mortos têm medo de denunciar os assassinatos. Isto é especialmente verdade para os cristãos convertidos nas áreas rurais.

No Cinturão Norte e Médio da Nigéria, pelo menos 3.700 cristãos foram mortos por sua fé – quase o dobro do número de um ano atrás (cerca de 2.000) – com vilarejos completamente abandonados pelos cristãos forçados a fugir, quando seus agressores armados se mudaram para lá.

As mortes foram mais altas no estado de Plateau (1885), onde as mortes de cristãos nas mãos de pastores muçulmanos fulani foram declarados “genocídio” pela Câmara dos Representantes da Nigéria. A pesquisa da Portas Abertas mostra que esses assassinatos na Nigéria respondem por cerca de 90% de todos os assassinatos de cristãos motivados pela fé em todo o mundo.

Em todos os países da Lista, da Portas Abertas, a perseguição também vem de familiares e amigos, de colegas aldeões e colegas de trabalho, de conselhos comunitários e funcionários do governo local e da polícia e dos sistemas legais.

Perseguição por gênero

A perseguição específica por gênero é um dos principais meios para minar a comunidade cristã, de modo que as diferentes áreas de vulnerabilidade para homens e mulheres são sistematicamente exploradas.

Nos cinco países mais difíceis de viver como cristão, a experiência feminina de perseguição é caracterizada por violência sexual, estupro e casamento forçado.

Isso significa que as mulheres e meninas cristãs enfrentam mais pressão de perseguição nas esferas familiar e social, enquanto os homens cristãos são mais propensos a serem detidos sem julgamento ou sumariamente mortos pelas autoridades ou milícias.

As tendências de 2019 reforçam as conclusões de 2018: que a perseguição dos homens é, de modo geral, “focada, severa e visível” e que a das mulheres é “complexa, violenta e oculta”, diz a Portas Abertas.

Além de explorar as vulnerabilidades de gênero, a perseguição também é encontrada para explorar outras vulnerabilidades existentes, como idade, incapacidade, classe e etnia.

Interceda pelos cristãos perseguidos

Entre os 50 países, seis continuaram nas mesmas posições, incluindo a Coreia do Norte, que ocupa a primeira posição desde 2002. Apenas dois novos países entraram na lista, o Marrocos, no 35º lugar e a Rússia, em 41º. Os que saíram foram Bahrein (antes em 48º) e Djibuti (antes em 50º).

Ao todo, 19 países subiram de posição. O maior destaque é a Mauritânia, que teve aumento de 22 posições, passando da 47ª para a 25ª. Também subiram: Argélia, com 20 lugares de diferença, saindo da 42ª posição para a 22ª; e China que chegou a classificação de 27º, depois de subir 16 pontos da 43ª posição em que estava. Um total de 23 países tiveram queda nas classificações, sendo que o país com maior diferença foi a Malásia, que saiu da posição 23º para a 42º.

Essa análise permite conhecermos mais sobre a realidade dos nossos irmãos perseguidos e onde é mais difícil viver como cristão. Por isso, pedimos que você interceda pelos cristãos de cada um desses países, para que sejam fortalecidos e encorajados mesmo em meio à perseguição.

Fonte: Missão Portas Abertas e The Christian Today

Comentários

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios