DestaquesMissõesNotíciasNotícias Gospel

Mais de 40 igrejas fechadas em duas semanas após fim das restrições do coronavírus na China

À medida que as restrições em razão da pandemia do coronavírus são suspensas na China, o Partido Comunista Chinês permanece firme em sua contínua perseguição aos cristãos locais.

No mês de abril, pelo menos 48 igrejas já legalizadas pelo governo foram fechadas em duas semanas pelas autoridades no condado de Yugan, segundo informou a Bitter Winter, uma revista sobre direitos religiosos e direitos humanos na China.

As igrejas teriam sido fechadas em razão do “grande número de fiéis” do condado de Yugan, o que tornou a região “um dos principais alvos da perseguição religiosa do PCC”.

Segundo o Christian Post, o condado de Yugan tem uma população de mais de 1 milhão de pessoas, na qual mais de 10% são protestantes que frequentam mais de 300 igrejas ligadas ao Movimento Patriótico das Três Autonomias (oficialmente registradas pelo governo).

Um congregante de uma das igrejas disse ao Bitter Winter que em abril, funcionários da cidade de Shegeng, sob a direção do prefeito, invadiram sua igreja e removeram o púlpito, a cruz e todos os outros símbolos religiosos.

Os congregantes choraram de angústia ao ver a destruição dos itens mais queridos da igreja.

O crente denunciou: “se você tentar protestar, eles o acusarão de lutar contra o Partido Comunista e o governo central”.

Relato

No município de Yugan, em Daxi, um secretário de imprensa da vila disse aos fiéis que fechar igrejas e remover cruzes fazia parte da política do estado.

Um dos crentes locais observou que o secretário de imprensa disse que “havia muitos crentes no condado”, depois de uma inspeção do governo.

“Quando tantos acreditam em Deus, quem ouvirá o Partido Comunista?”, disse o crente, citando o secretário. “Não há outra escolha senão remover as cruzes de suas igrejas”.

Além do fechamento da igreja, o governo ordenou que os símbolos religiosos fossem eliminados também das casas dos crentes.

“O governo removeu todos os versos bíblicos de minha casa”, queixou-se um crente da cidade de Yangbu a Bitter Winter. “No final de abril, as autoridades da vila removeram cruzes com versículos de mais de 100 famílias em dois dias”.

De acordo com a gerente regional da International Christian Concern para o Sudeste Asiático, Gina Goh, parece que, à medida que as restrições aos coronavírus começam a desaparecer, o governo está aumentando sua repressão ao cristianismo.

“Nas últimas semanas, vimos um número crescente de demolições de igrejas e remoções de cruzes em igrejas sancionadas pelo Estado em toda a China, enquanto as reuniões de igrejas domésticas também continuam enfrentando interrupções e assédio. É deplorável que as autoridades locais não apenas tenham conduzido esses ataques sem procedimentos adequados, mas tenham utilizado excessivamente a força contra membros das igrejas e visitantes”, disse ela.

A lista mundial da perseguição, da Portas Abertas (EUA), classifica a China como o 23º pior país em nível de perseguição religiosa em todo o mundo.

A organização de vigilância cristã observou que “o governo chinês procura ‘Sinicizar’ todas as ideologias religiosas do país, ou seja, fazer com que as crenças, inclusive o cristianismo, se alinhem com a interpretação do comunismo “.

A Portas Abertas também observou que o governo tomaria medidas contra as igrejas quando elas se tornassem “grandes demais, políticas ou conectadas a interesses estrangeiros”.

Fonte: Guia-me com informações de Bitter Winter

Comentários

Tags

Artigos relacionados

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios