ColunasDestaques

O vírus e a vida

Por Linda Sanhudo

Em poucos dias muitas mudanças na rotina, na vida, na casa, na cidade, no estado, no mundo. Os noticiários a todo instante alertando sobre cuidados, higiene, e como fazer para tentar se prevenir do vírus que está causando uma revolução em toda parte.

Algumas pessoas assustadas com tudo, outras alheias a tudo, mas todos devemos estar atentos aos cuidados exigidos. Ao mesmo tempo que vemos os anúncios de que as escolas, o comércio e muitas repartições estão de portas fechadas. Apenas farmácias, mercados, postos de combustíveis, lancherias, padarias, tem liberação para atender, pois são de extrema necessidade; se vê a preocupação de muitos se não ficarão desempregados.

Pedimos a Deus que guarde a vida destes profissionais e de suas famílias. Um momento das pessoas se isolarem em suas casas, de refletirmos sobre tudo à nossa volta.

Tempo em os abraços ficam proibidos, os apertos de mãos, as reuniões, os cultos, e tudo onde possa haver aglomeração de pessoas. Então com tanta coisa, em tão pouco tempo…surgem perguntas…dúvidas, curiosidades.

Pois surgiu tão rápido, se alastrou por países fazendo um silencioso estrago na economia e como essa gigantesca onda de pavor que toma conta das mídias, noticiários, jornais, quem dera seja a oração de muitos fiéis, que sabem que muito pode a súplica de um justo em sua eficácia.

Que as mãos não se toquem, mas que os joelhos se dobrem, que nossa oração suba como incenso suave até o trono da graça, sei que ela é de muitos corações angustiados e preocupados com tanta incerteza.

Mas nós temos muitas promessas “No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo”, e que nossos passos sejam firmes mesmo com o vento contrário nosso barco a balançar, pois cremos no Deus que tem o poder para acalmar o mar. Me pego a pensar e imaginar nos lares onde as famílias estão reunidas talvez não porque queiram, mas porque a ordem é de se isolar em casa.

E as crianças desacostumadas a rotina de estar em casa, fazem aquele barulho, risadas, brinquedos pelo chão, biscoitos na mesa, conselhos de mães, desenhos, pinturas e quanta coisa boa sendo feita.

Ao mesmo tempo a preocupação aumenta, será que vai faltar alimentos é a dúvida de uns? Creio que nesse tempo difícil aprenderemos muitas coisas, valorizar o simples, o pouco, exercer a empatia, querer que como um sonho possamos acordar e tudo ter passado.

Nossos pensamentos elevar ao alto e suplicar a grande misericórdia de Deus para conosco. E nós que temos sempre recebido tanto. O que será que temos feito? É tempo de perdoar, refletir, apagar a mágoa e quando esses dias maus passarem exercermos o verdadeiro amor.

E que nossa economia possa ter números antes jamais vistos, mas não lojas e comércios fechados, mas sim de brasileiros que souberam se unir em um momento difícil e de crise.

Que Deus possa a cada um dar mais uma chance de viver o extraordinário, lembrando que nossa maior riqueza é a nossa família e que o nosso lar possa ser sempre o melhor lugar do mundo para se estar e que possamos estar longe e livres de coronavírus, mas unidos como famílias e obedecendo a Deus, com as crianças a brincar livremente e os adultos se abraçarem vivendo um novo tempo, tempo de bênçãos e de união.”

Mestre o mar se revolta podes assim dormir, a cada momento que passa estamos a submergir…. E ele estando no barco não iremos naufragar.

Comentários

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Fechar
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios