ColunasDestaques

Os Evangélicos e a Páscoa

Pr Izar Andrade

A páscoa pode cair em qualquer domingo entre 22 de março e 25 de abril. Tem sido modernamente celebrada com ovos e coelhos de chocolate. O moderno ovo de páscoa apareceu por volta de 1828. Mas o que é que tem a ver ovos e coelhos com a morte e ressurreição de Cristo?

A festa da Páscoa remonta os tempos do Velho Testamento, por ocasião do êxodo do povo de Israel da terra do Egito. A Bíblia relata o acontecimento no capítulo 12 do livro de Êxodo. Faraó, o rei do Egito, não queria deixar o povo de Israel sair, então muitas pragas vieram sobre ele e seu povo. Segundo as instruções divinas, cada família hebréia, no dia 14 de Nisã, deveria sacrificar um cordeiro e espargir o seu sangue nos umbrais das portas de sua casa. Este era o sinal, para que o mensageiro de Deus, não atingisse esta casa com a décima praga, a morte dos primogênitos. A carne do cordeiro, deveria ser comida juntamente com pão não fermentado e ervas amargas, preparando o povo para a saída do Egito. Segundo a narrativa Bíblica, à meia-noite todos os primogênitos egípcios, inclusive o primogênito do Faraó, foram mortos. Então Faraó, permitiu que o povo de Israel fosse embora, com medo de que todos os egípcios acabassem mortos. Em comemoração a este livramento extraordinário, cada família hebréia deveria observar anualmente a festa da Páscoa. Páscoa é uma palavra hebraica que significa "passagem" "passar por cima". Esta festa, deveria lembrar não só a libertação da escravidão egípcia, mas também a libertação da escravidão do pecado, pois o sangue do cordeiro, apontava para o sacrifício de Cristo, o Cordeiro que tira o pecado do mundo.

A morte de Cristo tem uma grande importância para os cristãos, mas a ressurreição é a essência do cristianismo, se Cristo não ressuscitasse , seria vã a nossa pregação. Evangelho seria um engodo e a nossa salvação uma grande farsa. O Apostolo Paulo escrevendo aos Romanos declara “Se com tua boca confessares a Jesus Cristo como Senhor, e em teu oração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo”.Jesus após a ressurreição, apareceu durante quarenta dias, no mesmo corpo físico e com as marcas dos pregos e da lança que transpassou seu lado. Quem nos dá este testemunho detalhado é o próprio Jesus quando visita os discípulos, Lucas 24. 39 “ Vedes as minhas mãos e os meus pés. Sou eu mesmo! Apalpai-me e vede; um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho.” Tomé também duvidou e Jesus apareceu a ele e disse: “Põe aqui o teu dedo; vê as minhas mãos. Chega a tua mão e põe-na no meu lado. Não sejas incrédulo, mas crente”.(Jo 20. 28).

A prova de que Jesus estava com o seu próprio corpo é inegável e também comprova os detalhes de sua morte, pois apresentou as marcas que recebeu antes de morrer. Jesus olocou-se a prova de qualquer toque humano em suas feridas, o seu corpo era de carne e osso, se alimentou, foi reconhecido pelos seus discípulos quando apareceu, isto é, que a sua aparição pode ser vista e ouvida por aqueles que estavam presentes. Quando foi levado ao céu, recebeu o corpo glorificado.
A

ressurreição é a prova da divindade de Cristo, do triunfo sobre o pecado, a morte e Satanás.

Igreja Evangélica Assembléia de Deus, rua Barão de Caçapava, 925. Reuniões quintas 19 h e 30 min. e domingos 19 h. Visite-nos.

Comentários

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios