ColunasDestaques

Sobre valores sexuais liberais

Por psicóloga Marisa Lobo

O sexo fora do casamento já não é mais tabu. Nossa geração provavelmente sabe mais sobre controle da natalidade, relação sexual, masturbação, do que qualquer geração anterior. Coabitação troca de parceiro, infidelidade e comportamentos semelhantes são discutidos abertamente amplamente toleradas quando não aceitos. As restrições sexuais diminuíram os padrões sexuais se afrouxaram e as expectativas sexuais se tornaram mais liberais, os votos conjugais não são levados a sério e quando o “Fogo” sexual  acabou quando possíveis parceiros mais atraentes aparecem, o adultério e o divórcio são vistos como alternativas.

Para muitas pessoas , a lealdade é só da boca para fora e é logo descartada quando atrapalha a auto-realização e o sucesso pessoal.

A abertura em relação ao sexo não é necessariamente ruim, e existem algumas inibições que o melhor a fazer é jogar no lixo. Porém, a mudança dos valores sexuais é como “estouro da boiada” para a licenciosidade e a libertinagem. Para pessoas vulneráveis esses novos valores liberais são difíceis de resistir.

A sexualidade, com tudo o mais que Deus criou, está com problemas. Nós estamos mais vulneráveis do que nunca, vivendo numa sociedade que nos assedia com insinuações de sexo em todos os espaços disponíveis, desde internet, outdoors até as conversas no trabalha e na igreja. Toda sociedade está sendo afetada, famílias arruinadas, assustados com os milhões de abortos e o aumento dos casos de doenças sexualmente transmissíveis. A promessa” ingênua ou maquiavélica” de revolução sexual, já não pode mais ser vista de cara limpa, a ética em relação a sexualidade humana não existe mais.

Hoje sexo não é visto como certo ou errado, como uma ligação forte entre o casal e sim como apenas uma maneira de estarem juntos, as consequências emocionais, saúde, espirituais estão sendo totalmente negligenciadas em nome da “liberdade sexual” A filosofia hefonista, que aceita tranquilamente o sexo antes e fora do casamento, tornou- se um dos valores da nossa cultura, reforçado pela mídia e por “pastores” da tal inclusão e criticado por quase ninguém. A visibilidade dada a todas as formas de se fazer sexo , tem se tornado “nada de mais” simpática até. A igreja está deixando de ser igreja quando não está mais fazendo a diferença no mundo. Temos que lutar pelos direitos sociais das pessoas temos, mas ao mesmo tempo temos que lutar por nossos valores que estão sendo perdidos e reorientados , pelo ego, poder, mídia, ativismo e principalmente pela erotização da mente do povo Cristão. O mundo está tendo mais poder e força, e não estamos preparando nosso povo para esse enfrentamento, não estamos nos fortalecendo e sim gerando frustrações, traumas e consequentemente adesão a essa cultura tão cruel e desconstrucionista.

 

(Ministério Marisa Lobo) Sexualidade da Família. agenda@marisalobo.com.br

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios